Cruzeiro para Israel, Tunísia, Turquia? A situação


Cruzeiros em Israel, Turquia e Tunísia? Uma análise á situação

A MSC Crociere anunciou o retorno da sua programação regular em Israel. Este destino fascinante estará entre os destinos dos cruzeiros de inverno 2019/20 da MSC Opera que embarcarão os seus passageiros nos portos de Génova e Civitavecchia. Este navio da classe “Lirica” ​​(construído pelos Chantiers de l’Atlantique e ampliado pela Fincantieri) oferecerá dois itinerários diferentes de 12 dias, o primeiro no Mediterrâneo Ocidental e o segundo no Oriente.

Este último apresentará o aeroporto de Haifa, que permitirá descobrir todos os lugares mais místicos da Terra Santa. Além disso, no cruzeiro de Natal e Ano Novo, a viagem durará mais de um dia, de modo a permitir que o navio pernoite em Israel, de modo a poder viver as festividades mais intensamente em lugares sagrados para a religião cristã. Este destino tinha gradualmente saído das rotas devido à continuação da crise e à questão palestina não resolvida (e também aos altos impostos portuários).

O Mediterrâneo sofreu a perda de vários destinos sempre por instabilidade interna, estamos a falar da Tunísia, do Egipto e sobretudo da Turquia. O golpe fracassado de 2016 foi um golpe para o turismo no país de Erdogan e até mesmo as empresas de cruzeiros deixaram as margens consideradas inseguras.

Os navios de cruzeiro haviam assim desviado as suas rotas ao entupir os portos do Mediterrâneo Ocidental e da Grécia. Hoje a situação neste país melhorou e consequentemente as empresas de cruzeiros estão a avaliar sua reintegração gradual nos seus itinerários.

A Tunísia ainda está em apuros: na verdade, atualmente, apenas a Phoenix Reisen, uma empresa dedicada ao mercado alemão com navios de segunda mão, tem poucos planos agwndados na Goletta. Lembramos que este destino foi um destino fixo para todas as empresas que operam no Mediterrâneo até ao Museu Bardo em março de 2015. Imediatamente todas as marcas anularam este destino por razões de segurança com sérios danos à economia do país africano onde o turismo foi uma das principais fontes de renda.

Na Turquia, no entanto, a situação é diferente: os nossos MSC e Costa locais ainda não planearam cruzeiros com esse destino, mas outras marcas fazem isso. Vamos falar sobre Azamara, Celebrity, Royal Caribbean, Silversea, TUI, Pullmantur; basicamente todas as marcas da galáxia da Royal Caribbean. A NCL Holdings também trouxe os navios da NCL, Oceania e Regent de volta para a Turquia. Na Carnival Corporation, por outro lado, a situação é diferente, com apenas algumas marcas que propuseram o destino (Holland America, Princess e Seabourn): isso significa que as várias unidades de crise das empresas individuais operam de forma mais autônoma. Deve-se notar também que a pitoresca Istambul ainda é penalizada por ser o centro político do país e, portanto, considerada mais instável. O mais turístico e pacífico Kusadasi (Ásia Menor) é, portanto, favorecido como uma escala com a possibilidade de excursões na histórica Éfeso.

A situação em Israel é diferente, onde a MSC também programou passagens ocasionais com a MSC Lirica e a MSC Magnifica, enquanto a Costa Crociere tem escalas programadas (especialmente durante o reposicionamento) com Costa Firenze, Costa Diadema, Costa Magica, Costa Mediterranea e Costa Victoria.

Matteo Martinuzzi

Comments

Últimas reportagens