Funchal – sugestão de visita en cruzeiro


O que ver e fazer no Funchal, ilha da Madeira, durante uma paragem de cruzeiro.Hoje o Cruising Journal irá levar os leitores até ao Funchal, uma viagem virtual que poderá ser real quando você fizer um cruzeiro com escala na Madeira. O Cruising Journal recomenda esta visita, venha connosco, venha sonhar com o Funchal!

O nome Funchal deve-se pelas enormes quantidades de erva-doce (funcho) que cresceu selvagem, sobe direto do mar. Quando entramos pela manhã na baía do Funchal o efeito completo desta geografia extraordinária é mais evidente ao navegar ao amanhecer afunilando da área portuária numa montanha com cerca de 1500 metros de altitude e luzes das casas na encosta parecendo um presépio.
Com as luzes das casas e empresas sobem diretamente como se suspensas no ar, piscando no alto no meio do nada, uma experiência impressionante, em terra encontrarão a culinária que celebra os ingredientes mais frescos, uma população que é alegre e graciosa, atividades que vão de caminhadas vigorosas à contemplação plácida da natureza, e grandes oportunidades de compras para artesanato e bordados feitos localmente.

A ilha é quase equidistante de Lisboa e da costa africana, e sua posição geográfica única permitiu que a Madeira desempenhasse um papel fundamental na descoberta europeia e mais recentemente no mercado dos cruzeiros incorporando os itinerários Kanaren, Mediterrâneo ocidental e transatlânticos.
A Madeira é conhecida como “Garden Island”, este jardim à beira mar plantado com estrelícias, rosas, proteas, massarocos, condifolium e bougainvillea o que trás uma inundação de cores de tirar a respiração a ver as plantas e flores subtropicais que além de na serra podem ser apreciadas na cidade ou nos mercados tradicionais.

Ao desembarcar do navio na gare marítima da Madeira poderá embarcar numa das várias excursões ou fazer uma caminhada de cerca de 20 minutos até ao centro do Funchal, pelo caminho pode subir até ao Parque de Santa Catarina na Avenida do mar mesmo por cima do cais Norte poderá encontrar várias esculturas, a capela de Santa Catarina, um lago com patos e algumas das mais bonitas flores com o Funchal e o seu navio em vista.

Ao caminhar pelas ruas da cidade poderá explorar os jardins, as lojas de comercio tradicional com doces locais como o bolo de mel ou o vinho Madeira, fortificado e engarrafado nas ilhas usando variedades específicas de uvas, o vinho madeira é envelhecido usando um processo de aquecimento único e é produzido em uma variedade de estilos – desde vinhos secos que fazem o aperitivo perfeito até vinhos doces para complementar a sobremesa, ainda no centro do Funchal não perca a Sé Catedral classificada como Monumento Nacional desde 1910, constitui o principal templo religioso do Arquipélago.

Continuando a nossa caminhada seguimos em direção ao mercado dos lavradores com os seus grandes painéis de azulejos da Faiança Batisttini de Maria de Portugal, datados de 1940 e pintados com temas regionais, por João Rodrigues, ornamentam a fachada, a porta principal e a peixaria, o seu ambiente misturam-se cores, sons, cheiros e gentes diversa encontrará centenas de flores, peixe frescos e poderá ver uma variedade de frutas tropicais como o maracujá entre outros.
Seguimos em direção à zona velha com um sem número de ruas estreitas que levará à zona de origem do Funchal, aqui poderá subir de teleférico até à montanha chegando à vila Monte, um dos locais mais emblemáticos da ilha da Madeira com o clima mais fresco paira no ar e um ambiente tranquilo é para alguns uma mais-valia que o Monte tem para oferecer, onde sugerimos visitar a igreja do Monte, descendo a partir daí nos carros de cestos de vimes até à zona do Funchal, estes carros são produzidos artesanalmente, com vimes e madeira, e dispõem de dois lugares sentados.

São conduzidos e controlados por dois carreiros, trajados de branco e com chapéu de palha na cabeça que, com perícia, utilizam as próprias botas, com grossas solas de borracha, como travões, fazem deslizar os carros numa viagem de 10 minutos percorrendo 2 quilómetros com muita adrenalina… uma experiência única a não perder.

De seguida poderá seguir viagem até ao Cabo Girão um promontório quase vertical com 589 m de altura com vista deslumbrante sobre o mar, vertiginosa vista sobre as fajãs do Rancho, pequenas áreas de terra cultivadas no sopé da falésia, bem como magníficas panorâmicas sobre o oceano, o Funchal e Camara de Lobos e a famosa plataforma suspensa em vidro,a skywalk, razão pela qual é um local muito visitado.
Antes de regressar ao Funchal é obrigatório visitar a vila piscatória de Camara de Lobos e provar a Poncha e a Nikita numa das tascas junto à bela baía, esta terra de pescadores, que têm como principal especialização a pesca do peixe-espada preto, deve a sua fama aos pescadores que pintam a baía com os seus barcos pitorescos e bem caraterísticos – os “Xavelhas”. O antigo primeiro-ministro inglês, Winston Churchill, pintou este retrato excecional quando visitou a ilha a 8 de janeiro de 1950.

Siga informações, conselhos, opiniões e avaliações de navios de cruzeiro no Cruising Journal.

Artur Rodriguez

Comments

Últimas reportagens